2013

 

Berço 

Teclas de computador, arame, vergalhão, cola cascorez e silicone.

63 x 83 x 49 cm

 

“O berço parece sugerir uma nova antropomorfia. Concebendo a máquina na própria estrutura do homem, o advento pós humano - embora um tanto apocalíptico - serve como leitura para entrender nosso lugar na contemporaneidade: dizem que a matéria carnal faz-se obsoleta diante da inteligência tecnológica. Obsoleto ainda é o material tecnológico, rapidamente descartável e de curta duração. Diante do trabalho de Joana, cabe a nós não reforçar o dualismo entre máquina e homem, mas investigar sua lógica: se o corpo não dá conta do avanço artificial, que uso fazemos destas ferramentas?”

 

Texto de Pollyana Quintella em Homo Cibernecticus. Publicado em IV Bienal da Escola de Belas Artes/UFRJ: territórios, 2013. página 36-37.

 

Quatro Ilhas

Escultura eletrônica

Membranas placas de teclado de computadores, fios, arduino, placas de acrílico, canos de plástico.

120 x 80 x 12 cm

7 kg

*código arduino

“ O trabalho “Quatro Ilhas” é uma desconstrução e uma reconstrução simultânea de doze teclados de computador. Cabe destacar, o uso estrutural de apenas a parte interna funcional de tal objeto, suas membranas plásticas, conhecidas como matrizes de informação e seus chips de transmissão, chamados de microprocessadores”.“O processo de organizar um mapa físico com aparência virtual partiu da territorialidade imaginária, uma discussão pertinente na Era onde as fronteiras geopolíticas estão constantemente tumultuadas por uma descontrolada conectividade social. Mapeando polêmicas sob aspectos de espaço, tempo e identidade, o trabalho resgata a memória de funcionais correntes de informação. A proposta de um novo mapa, longe de uma comparação realista, pois se tal fosse, seria representada por uma mancha cinza devido as infinitas e mutáveis redes de conexão. Uma reconfiguração possível, devido a um cons- tante nomadismo de aparatos de comunicação.”

 

(ler o texto completo)